12 de mai de 2009

Toinho Alves

Caminho da Terra

A estrada da Terra vai dar no céu, se eu souber andar, se eu parar e respirar, se eu cantar. A estrada da Terra vai dar no céu, se eu olhar onde piso, onde pisei, onde vou pisar. Se eu olhar para todos os lados. Se eu olhar para cima. Porque o caminho não existe sem mim. Na verdade, o caminho existe em mim. Por ele, posso chegar a qualquer inferno da dor e da loucura, posso cair no abismo do nada, posso me perder no escuro, posso dar com a cara no muro. A cada passo, em cada rumo, uma vontade me move. Ao vento lanço meu brado: existo! Sou esta gota de suor no peito, a têmpora latejante, o ar nas narinas. Sou este ombro que aguenta carga e para o qual a carga é leve. Sou o pensamento, a prece, o cansaço, o alívio da chegada. Sou o destino, onde quero chegar. E se eu quiser chegar ao céu, então a estrada da Terra vai dar no céu.


Por Toinho Alves


Nenhum comentário: