12 de mai de 2009

Luli Rojanski

"Eu não queria parecer vago nem obtuso, mas o mundo sob o seu comando anda muito paradoxal. Em quem eu devo acreditar enquanto o senhor dorme? No sujeito que disse que existe muito mais inferno entre o céu e a filosofia do que possa supor meu vão mistério? Em que eu devo pensar enquanto espero providências: no poder de olfação dos gnus? Na migração sazonal das borboletas amarelas?"
Trecho da primeira carta
Por Luli Rojanski

3 comentários:

Lulih Rojanski disse...

Obrigada, Márcia. Adorei me encontrar aqui. Aproveitei pra ir ao Acre ver o Toinho. Um beijo.

Márcia Corrêa disse...

Ele está a caminho do céu. Que inveja!

Antonio Alves disse...

Lendo o que vocês escrevem, chego mais rápido e, com certeza, encontro com vocês por lá. Por aí.