31 de ago de 2010

Marina Flor


Do alto descem cascatas
Tanta luz ninando o mundo
Rosado riso de amor
Renasce em nós Marina Flor

Meu colo te acolhe e vive
Troca de afeto e calor
Olhar de infinito sublime
Tão pétala e cor Marina Flor

30 de ago de 2010

1º CONCURSO LITERÁRIO GUEMANISSE DE CRÔNICAS, CARTAS E TROVAS / 2010

A GUEMANISSE EDITORA E EVENTOS LTDA. promove o 1º CONCURSO LITERÁRIO GUEMANISSE DE CRÔNICAS, CARTAS E TROVAS, composto por três categorias distintas:
a) Crônicas – Narrativa breve, sobre a vida cotidiana, podendo ser informal, intimista, familiar, etc.

Premiação em dinheiro:
1º lugar: R$ 3.000,00 (três mil reais) e publicação do texto em livro;
2º lugar: R$ 2.000,00 (dois mil reais) e publicação do texto em livro;
3º lugar: R$ 1.000,00 (mil reais) e publicação do texto em livro.
Premiação de publicação em livro:
Os textos premiados, inclusive os que forem agraciados com MENÇÃO HONROSA e/ou MENÇÃO ESPECIAL, serão publicados em livro (sem ônus para seus autores, inclusive de remessa postal) e cada um destes autores receberá dez exemplares, a título de direitos autorais. Os direitos autorais subseqüentes a esta edição são de propriedade dos seus autores, não tendo a Guemanisse nenhum direito sobre os mesmos. Esta edição específica não poderá ultrapassar a tiragem de 2.000 (dois mil) exemplares, e os livros restantes desta edição serão preferencialmente distribuídos por bibliotecas e escolas públicas.

www.guemanisse.com.br

29 de ago de 2010

O ritmo e o canto amazônicos brilham na voz de Patricia Bastos, uma ótima cantora


Sobre o Rio Amazonas, à direita e à esquerda, se lançam o Içá e o Caquetá, o Jumundá e o Juruá, o Trombetas e o Jari, o Xingu e o Tocantins. Feito um só, vêm correndo entre selva, ilhas e praias, servindo aos povos da floresta. A todos marcando a pele e o sangue, emprenhando-os de identidade e orgulho.

Os animais e os pássaros se achegam à mata. À diversidade da fauna se soma a vida vegetal. Lá estão também os índios e os ribeirinhos. Todos em comunhão reforçam vínculos e se entregam a relacionamentos de lógica ímpar: é o rio Amazonas e a floresta amazônica doando seu ar místico secular aos que deles se aproximam para ali permanecer.

Assim, plenos de mistérios, a Amazônia e o rio Amazonas soam trombetas para anunciar que mais uma de suas filhas vem para se distinguir. E ela vem ela toda faceira lá de Macapá, abençoada pela densa mata e pelo rio mar: Patricia Bastos, que se valendo do Projeto Pixinguinha de Editoração, gravou Eu sou caboca, seu quarto CD.

Por esse bom disco, vislumbra-se seu destino de cantora que tem nítida em sua alma a importância do seu cantar amazônico, marcado a ferro em sua personalidade.
Para cada levada seu instrumento, sua linguagem, sua ancestralidade, marabaixo, batuque, lundu, maracatu, carimbó, samba, retumbão, jongo, alujá. Sobre eles a música vem como pororoca rio abaixo. Sobre eles o versejador cria rimas com a força de expressivas orações.

Interligadas pela pele do curimbó, pelas sementes do ganzá e por outros tantos instrumentos que dão à música o sentido pleno de ser quando unida à poesia, as catorze faixas do álbum são de plena unicidade. E o que não falta em Eu sou caboca são competentes instrumentistas, ótimos melodistas e inspirados letristas.
Os arranjadores Adelbert Carneiro, Aluisio Laurindo Jr., Paulo Bastos e Dante Ozzetti (este, arranjador da sua “Demônio de Batom”, que tem letra provocante do poeta Joãozinho Gomes), arregimentaram formações que deram ao repertório a força que carece e merece a voz de Patricia Bastos.

As especiais participações vocais de Nilson Chaves em “Filho de Uaranã” (Rafael, Pedro e Rita Altério), ritmo quente marcado por percussão calorosa, e de Vitor Ramil em “Pequeno Pescador” (Vicente Barreto e Joãozinho Gomes), canção de raro lirismo, realçam a cumplicidade que Patricia ainda quer maior, pois já conhece o valor da integração solidária entre o rio e a floresta.

O repertório é exemplo de como Patricia bem o sabe escolher. Celso Viáfora vem com a sua bela “Crença” e com a percussiva “Eu Sou Caboca” (com Joãozinho Gomes). A conhecida “Natureza”, de Rosinha de Valença e Leci Brandão (“Ê, natureza/ Ê, natureza tão bom...”) aclara a competência da intérprete e chama adjetivos: cafuza buliçosa, mestiça calorosa, índia caudalosa, cantora de respiração encaixada, de suingue contagiante, voz delicada, mas firme, agudos precisos, emoção encorpada... Patricia Bastos.

Por Aquiles Rique Reis, músico e vocalista do MPB4
Coluna publicada nos jornais:
* Diário do Comércio (SP)
* Meio Norte (Teresina)
* Jornal da Cidade (Poços de Caldas)
* A Gazeta (Cuiabá)
* Brazilian Voice (uma publicação voltada para os brasileiros residentes em toda Costa Leste dos EUA).

28 de ago de 2010

Especial das Seis com Ana Martel em rádio baiana

Clique no link abaixo e ouça o programa Especial das Seis, da Rádio Educadora de Salvador - BA, com a cantora amapaense Ana Martel. Um luxo!

http://www.irdeb.ba.gov.br/educadora/catalogo/media/view/1120

27 de ago de 2010

Cia de Artes de São Paulo volta ao Amapá para fazer três apresentações


Entre os dias 27 e 29 deste mês, a primeira equipe da Cia de Artes Jeová Nissi, de São Paulo, apresentará três de seus espetáculos na Igreja Batista Memorial, localizada enfrente ao Shopping Macapá, sempre a partir das 19hs e com entrada gratuita.

Além da peça ‘O Jardim do Inimigo’ que fala sobre violência doméstica, consumo de drogas, prostituição infantil, miséria entre outros assuntos do cotidiano, a equipe apresentará as peças: ‘Surpresa na Tevê’ que aborda, com muito humor, criatividade alguns lances dos bastidores de um programa de televisão.

E, também ‘Retratos’ que fala sobre família, mas com abordagem diferenciada, fazendo analogia com histórias bíblicas.

Com sede na cidade de Ibiúna (SP), a Cia existe há 10 anos. Hoje, a equipe é composta por mais de 50 artistas, entre atores, bailarinos, instrumentistas e cantores divididos em quatro equipes. Além das peças que serão apresentadas no Amapá, o grupo possui vários espetáculos, dentre eles: Jó; O Dez-Obediente; Três Ferramentas; Socorro, o pastor vem Jantar em casa; Tortura; O Jardim do Inimigo Infantil entre outros.

O Jardim já foi assistido ao vivo e por DVD em todos os Estados do Brasil e também na Argentina, Paraguai, Chile, EUA, Canadá, Angola, Japão, Espanha, Portugal, Inglaterra, França e Itália.

Por Haraceli Tâmara

24 de ago de 2010

Beatriz

Foto: Chico Terra
Dá aqui teu aconchego
Linda e meiga Beatriz
Que meu tempo, meu enredo
Carece assim de ser feliz
Traz pra mim tua energia
Que meu coração cansado
Reencontra a calmaria
Num raio de luz Beatriz

23 de ago de 2010

Os cometas no Trem Desportivo Clube


“OS COMETAS” fazem apresentação de gala em show musical dançante no Trem Desportivo Clube, no dia 04/09.
Sônia Canto Produções

22 de ago de 2010

Exposição "Diversidades" no Marco Zero do Equador


Rosa Moutinho, artista plástica amapaense, oferece coquetel de abertura da exposição “DIVERSIDADES”, no dia 03/09, no Monumento Marco Zero. A exposição estende-se até o dia 09/09.
Sônia Canto Produções

20 de ago de 2010

“Máscaras de São Tiago” chega à UEAP


O espetáculo Máscaras de São Tiago, da Cia Viva de Teatro, será apresentado nesta sexta-feira (20/08) na Universidade do Estado do Amapá (UEAP), as 19h, com entrada franca. A passagem pela instituição faz parte de uma agenda de apresentações realizada com o apoio do Governo do Estado, que iniciou no mês de julho, após a estréia no Teatro das Bacabeiras, e prosseguiu pelas escolas públicas estaduais e municipais, e particulares, até chegar às universidades.

As apresentações do espetáculo Máscaras de São Tiago são uma homenagem aos 13 anos do Grupo Cia Viva de Teatro, da Associação Artística e Cultural Língua Solta. O projeto foi contemplado no Edital do Prêmio Funarte de Teatro Mirim, em 2009, com indicação e apoio do Ministério da Cultura, Fundação Nacional de Artes e Petrobras.

A peça foi criada por artistas locais e remonta à história de colonização do município de Mazagão, desde a vinda dos negros da África. As encenações contam de forma detalhada o processo de chegada, histórico das famílias e as batalhas culturais. “A peça tem conseguido captar um pouco dessa história e é muito interessante você conhecer a relação do Mazagão de Marrocos, na África, como a Mazagão brasileira, que fica no Amapá”, destacou o coordenador do curso de Filosofia da UEAP, prof. Herbert Emanuel Valente de Oliveira, um dos facilitadores do evento na universidade.

ASCOM-UEAP
Keila Gibson
Assessora de Comunicação

Universidade do Estado do Amapá (Ueap)
Jornalista - 1611DRT/PA

Amazon Music e Grahan Companhia de Dança no Concerto de Verão

As noites estão claras e preenchidas de música no verão da Confraria Tucuju. Nesta sexta-feira (20), no Largo dos Inocentes, a partir da 20 horas, o Concerto de Verão traz o Quarteto Amazon Music e a Grahan Companhia de Dança. No repertório pérolas da Word Music e as inovação que o quarteto vem propondo ao misturar jazz com os ritmos tradicionais da cultura popular do Amapá. Os Concertos de Verão tem patrocínio do Ministério da Cultura com recursos alocados através de emenda parlamentar apresentada pela deputada federal Lucenira Pimentel (PR).

Israel Cardoso, guitarrista, arranjador e compositor, professor do Centro de Ensino Walkíria Lima. Começou seu aprendizado em 1983 com o maestro Tiago. Já acompanhou artistas de renome nacional como João Alexandre, cantor, violonista e produtor do meio gospel; além de Amadeu Cavalcante e outros artistas do Norte e Nordeste. Realiza trabalho instrumental com a banda gospel Portal do Céu.

Ezequiel Freitas, baixista, aos 22 anos vem se destacando na cena da música instrumental pelo virtuosismo e competência na variação de estilos que executa. Já tocou com Davi Cols, Nelson Dutra e outros grandes instrumentistas da região

Fineias Nelluty, multi instrumentista, compositor, arranjador e produtor. Aos 15 anos tornou-se músico profissional, tendo nascido em berço musical como filho do grande Francisco Fernandes, o mestre Tiago. Durante três anos integrou a banda New Star na Guiana Francesa. De volta ao Brasil acompanhou o artista Kzan Nery, integrou as bandas The Tramp’s e Brind’s. Tocou durante muitos anos com a cantora Patrícia Bastos. Como músico e produtor instrumental criou o Festival de Música Instrumental do Amapá que em 2010 completa três anos.

Markinho Sansi, batreista, arranjador desde 1999. Estudou na Academia de Música Lorenzo Fernando, em Mato Grosso. Em 2002 mudou-se para o Amapá, onde passou a ser requisitado para tocar com grandes artistas da região. No meio gospel acompanhou artistas como Mara Maravilha e Cleber Lucas. Possui um trabalho pop com a banda Omega 3.

Serviço:
Concertos de Verão
No Largo dos Inocentes
Sexta-feira (20.08)
Às 20 horas
Realização Confraria Tucuju

Belém: Tributo a Raul Seixas


19 de ago de 2010

Belém: Banco da Amazônia lança filme "Bacalhau no Tucupi"


Uma estória amazônica contada por duas crianças nascidas em ambientes diferentes que se encontram na floresta brasileira e mostram a contradição das duas realidades. O curta “Bacalhau no Tucupi!” será lançado no dia 19 de agosto, quinta-feira, em Belém, e faz uma releitura da lenda da mandioca. O filme é produzido e dirigido pela médica paraense Cristina Pinheiro que realiza na tela uma criativa interligação entre a história e as atuais discussões sobre religião, raça, liberdade, cultura e progresso.

No filme atemporal, o garoto Cabralzinho chega à Amazônia e conhece a cultura e costumes da região através da indiazinha Mani, que com inocência e respeito pelo seu povo discute colonização e atualidade através da lenda da mandioca. Direcionado para todas as idades, no curta-metragem a diretora e roteirista usou uma linguagem didática e acessível sem apelar para o regionalismo exagerado.

Nos quatro dias entre Belém e a ilha de Mosqueiro, que serviram de locação, Cristina uniu experiência técnica e alunos da escola de teatro no filme que ganhou o sugestivo nome de “Bacalhau no Tucupi!”. O filme foi finalizado em 21 minutos e será primeiramente lançado em Belém, no auditório do Banco da Amazônia, que fica localizado na av: Presidente Vargas, 15º andar, às 19:00, com entrada franca.

Mariléia Maciel
Assessora de Comunicação

12 de ago de 2010

Viagem pela história da música instrumental com o Grupo Quebra Pedra


Depois do sucesso da noite de estréia, o projeto Concertos de Verão da Confraria Tucuju volta nesta sexta-feira (13) apresentando o Grupo Quebra Pedra, que propõe um panorama da história da música instrumental executando clássicos da Bossa Nova, samba, Standards de jazz e MPB. O evento começa às 20 horas no Largo dos Inocentes, com acesso gratuito.

O Grupo Quebra Pedra reúne quatro músicos de influências diversas na música instrumental. Os integrantes já haviam tocado juntos em outras formações como o grupo Baião de Seis, com o Baixista Diogo Lamarão e o Guitarrista Fabinho Costa, ou na Banda da Guarda Municipal com o Trompetista Siney Saboia e o Baterista Eudes Batera.

Os Concertos de Verão acabaram se tornando a oportunidade perfeita para mostrar o trabalho dos quatro instrumentistas, que têm a proposta de uma viagem por diferentes estilos da música instrumental desde suas origens no blues americano, passando pela música caribenha e pela Bossa Nova até as composições mais contemporâneas de autores como Duke Ellington, Tom Jobim e Egberto Gismonti.

A formação do Quebra Pedra é constituída pelos músicos: Siney Saboia (Trompete e Flugelhorn), Diogo Lamarão (Contrabaixo), Edson Costa, o Fabinho (Guitarra) e Eudes Gonçalves (Bateria).

Siney Saboia: Estudo trompete na Fundação Carlos Gomes,em Belém, e se formou como técnico em música pela Escola de Música Federal do Pará. Tocou ao lado de músicos como Barry White e foi integrante e regente da orquestra Amazon Jazz Band.

Diogo Lamarão: Formado em contrabaixo acústico pela Universidade Estadual Paulista - UNESP, iniciou sua formação em Belém do Pará na Escola de Música Carlos Gomes, migrando posteriormente para São Paulo onde os concluiu em 2007. Foi integrante da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, da Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos, da Sinfônica Heliópolis e da Jazz Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo. Atualmente é Spalla do naipe de contrabaixos da Sinfônica Jovem do Amapá, integrante do Grupo Nuances e contrabaixista do Grupo Quebra Pedra

Fabinho Costa: iniciou seus estudos na guitarra aos 16 anos de forma autodidata e logo ingressou na Escola de Música Walkíria lima. Seu primeiro grupo musical foi a banda Gospel LSD (Louvado Seja Deus). Já atuou ao lado de músicos de renome como Chico César, Leci Brandão e com os mais importantes artistas do Amapá. Atualmente é professor do C.E.P. Walkíria Lima e Integrante do Grupo Quebra Pedra.

Eudes Gonçalves: iniciou seus estudos de forma autodidata aos 16 anos por influencia do irmão, o baterista Del Gonçalves. Foi baterista da segunda formação da banda LSD (Louvado Seja Deus), gravou o primeiro CD Gospel do Músico Kzan Nery e já acompanhou a maioria dos artistas locais. Atualmente é professor de bateria e toca na Banda da Guarda Municipal.

Comunicação
Confraria Tucuju

10 de ago de 2010

Ana Martel faz show nessa quarta no Copacabana


A cantora Ana Martel será atração da noite desta quarta-feira (11) na Casa de Show Copacabana. A artista tem uma carreira sólida de mais de 25 anos. Em 2009 lançou seu primeiro CD, “Sou Ana”, com composições de sua autoria, Enrico Di Miceli, Joãozinho Gomes, Val Milhomem, Zé Miguel, Paulinho Moura e outros. No show ela canta músicas do repertório de “Sou Ana” mas também solta a voz em músicas de vários compositores da MPB.

Ana Martel é amapaense, começou sua carreira cantando em bares de Macapá e Belém acompanhando outros músicos ou em apresentações individuais. A poesia “Óleo Sobre Tela”, de sua autoria em homenagem ao quilombo do Curiaú, inaugurou a lado compositora da artista. A letra foi musicada por Zé Miguel e hoje Ana é uma das poucas compositoras amapaenses.

Sempre em busca de aperfeiçoamento, ela voltou às salas de aula onde estuda violão.“Tive que aprender a tocar para poder guardar aquilo que eu pensava”, conta ela, que tem um processo de composição que começa com o canto e depois é adaptado para os acordes do violão.

O show de Ana Martel faz parte do Projeto Palco da Esquina, realização de Sônia Canto Produções, que acontece toda quarta-feira, na Casa de Show Copacabana. Músicos de alto nível acompanham a artista: Alan Gomes (diretor musical e contrabaixo), Fabinho (guitarra), Bibi (sopros), Valério de Luca (bateria e percussão) e Jeffrey ( teclados).

Serviço:
Projeto Palco da Esquina
Show de Ana Martel
Local: Casa de Show Copacabana
Av. Mendonça Furtado, esquina com a rua Odilardo Silva
Hora: 22:30
Mesa: R$ 80,00
Mariléia Maciel

6 de ago de 2010

Concertos de Verão 2010 trazem Manoel Cordeiro na estréia

É tempo de sol e calor, tempo de céu estrelado e de Concertos de Verão da Confraria Tucuju. O projeto de formação de platéia para a música instrumental entra no terceiro ano com enorme sucesso. Na próxima sexta-feira, 06 de agosto, às 20 horas, o palco do Largo dos Inocentes receberá o maestro Manoel Cordeiro, com o instrumental contemporâneo “Vertentes do mesmo rio”. O show terá como convidados Valério de Luca e Nena Silva na percussão, além de Fabinho e Israel nas guitarras. Com participação especial em quatro músicas, a companhia de dança Graham se integra à noite no Largo.

Os Concertos de Verão da Confraria Tucuju têm, em 2010, total patrocínio do Ministério da Cultura. Os recursos foram alocados a partir de emenda parlamentar apresentada pela deputada federal Lucenira Pimentel do PR/AP. O projeto apresentado pela Confraria tem assinatura do produtor cultural Zezinho Duarte e obteve aprovação total no Siconv.

Manoel Cordeiro
Manoel Cordeiro é músico paraense, compositor, arranjador e pesquisador musical. Sua carreira começou em Macapá há mais de 40 anos, tocando em bandas como “Embalo Sete”, “Os Inimitáveis” e “Os Cometas”. Em Belém, ainda no início da carreira, tocou em várias bandas de sucesso, com destaque para a banda de Elly Farias, com quem gravou em 1975 o primeiro disco de carimbo feito no Pará. O formato era de banda elétrica sob a regência do maestro Antônio Carlos (Tinoco).

Em 1983 iniciou seu trabalho de gravação, como produtor, músico e acompanhante no estúdio Gravasom, produzindo o disco “Frutos” do compositor e cantor Alcyr Guimarães. A partir desse momento passou a ser requisitado para gravar com artistas reconhecidos, entre os quais Frank Aguiar, Fernando Mendes, Carlos Santos, Beto Barbosa, Roberta Miranda, Trio Los Angeles, Roberto Leal, José Orlando, Eliana e Banana Splitz.

O talento e a percepção de Manoel Cordeiro estão na base de muitos movimentos de sucesso na música da Amazônia. Como pesquisador realizou um trabalho reconhecido internacionalmente sobre Boi Bumbá com o grupo Carrapicho, de Manaus – AM. Possui trabalhos de pesquisa sobre ritmos como Marabaixo e Batuque com o Grupo Pilão de Macapá, além do estudo sobre Marambiré com Beto Paixão.

Em 1990, para materializar suas pesquisas no campo da Música Popular da Amazônia, fundou a Banda Warilou, onde apresentou um repertório rico no som que chama de vertentes. A Banda tocava Lambada, Guitarrada, Zouk, Carimbó, Boi Bumbá, Marabaixo e Batuque. Preparou o primeiro DVD com a obra da Banda, sendo este o grande marco na história das Bandas do Pará, até hoje servindo como referência e inspiração para muitas bandas atuais.

O maestro está em estúdio, atualmente, em fase de pré-produção de seu do seu disco solo instrumental, cujo título provisório é “De Manoel Cordeiro- Vertentes do Mesmo Rio”, onde expressa sua maneira peculiar de tocar nossos ritmos, numa legítima linguagem do “caboclo universal da Amazônia”.

Grupo Graham
A companhia de dança Graham é essencialmente feminina e amapaense. Sua técnica eclética assegurou várias premiações. Trabalha com temáticas humanas, através de mensagens positivas que conduzem à reflexão e despertam emoções. Responsabilidade social é fonte de inspiração e marca da companhia. A composição contemporânea desenvolvida e a valorização e utilização da figura feminina são seu universo.

Com 15 anos de experiência, realizou festivais, oficinas com profissionais de nível nacional e internacional, shows com artistas locais e trabalhos beneficentes. Dedica-se à dança moderna, contemporânea, clássica e jazz. A coreógrafa Cleide Façanha faz um trabalho de intervenção em ritmos regionais, com influência moderna.

Comunicação
Confraria Tucuju

4 de ago de 2010

Bi Trindade: Fé Guerreira na casa de shows Copacabana nesta quarta


Nesta, quarta-feira (04), o cantor e compositor Bi Trindade apresenta o show “Fé Guerreira” na Casa de Shows Copacabana. O repertório mistura músicas conhecidas e outras inéditas que fazem parte do novo CD de Bi Trindade em parceria com Manoel Bispo, asser lançado ainda este ano.

Com uma história musical de mais de 30 anos, o artista foi um dos fundadores do Grupo Pilão, em 1975 junto com os irmãos Fernando e Juvenal Canto. Pilão inovou a música regional trazendo para o repertório do grupo “ladrões” de marabaixo e canções populares.

Bi que também é professor de francês, aliou as duas profissões e ajudou a divulgar a cultura amapaense em território europeu. Ele fez versões das famosas músicas “Tajá”, de Fernando Canto e Osmar Júnior, “Tarumã”, de Osmar e “Cante Comigo”, de Rambolde Campos que serão apresentadas no show Fé Guerreira.

Bi Trindade é o segundo artista a mostrar sua arte no Projeto Palco da Esquina que está reunindo o melhor da música amapaense toda quarta-feira. Semana passada Amadeu Cavalcante inaugurou o espaço com o show Sentinela Nortente que lotou a Casa de Show Copacabana. Estão agendados para o mês de agosto, Marcelo Dias (11/08), Ana Martel (18/08) e Nivito Guedes (25/08), na sequencia Juliele, Patrícia Bastos, Zé Miguel, Beto Oscar, Helder Brandão, Enrico Di Miceli, Joãozinho Gomes Rambolde Campos e muitos outros que já confirmaram participação no projeto.

O show Fé Guerreira terá a produção musical do maestro Manoel Cordeiro e a produção executiva é de Sônia Canto Produções. Acompanham Bi os músicos Fabinho (guitarra), Helder Melo (contrabaixo), João Batera (bateria) e Nena Silva ( percussão).

SERVIÇO
Data: 04/08/10
Local: COPACABANA – Avenida Mendonça Furtado, esquina com a Rua Odilardo Silva.
Horário: 22:30h
Valor da mesa: R$ 80,00
Vendas pelo telefone 8111-0695 / 9149-9536

Por Mariléia Maciel

3 de ago de 2010

Adubo vai ser feito com dinheiro velho

Amazonas – As cédulas velhas de dinheiro podem ser usadas como adubo em vez de jogadas nos lixões, nos aterros sanitários ou queimadas já que contém metais pesados que acabam poluindo o meio ambiente e apresentando riscos à saúde de todos. A afirmação foi dada pelo professor, Carlos Costa, da cátedra de Ecologia da Universidade Federal Rural da Amazônia, ao acrescentar que a instituição acaba de assinar um acordo com o Banco Central para desenvolver um projeto.

Segundo ele, a proposta partiu de um funcionário do banco em Belém, no Pará, que cursa agronomia na Ufra. Depois de mais de três anos de testes e negociações, o banco, a universidade, o governo paraense e o sindicato de servidores do banco assinaram um convênio de R$ 100 mil para desenvolver o projeto.

“Inicialmente, serão usadas 11 toneladas de notas que o banco tritura todo mês na região Norte. Elas equivalem a R$ 17 mil. O adubo terá, além de dinheiro, restos de grama seca (chamada de palhada) e de outros vegetais, que se tornam lixo no Ceasa de Belém”, explicou, garantindo que dentro de um ano, o adubo deve começar a ser distribuído para pequenos produtores rurais do estado. Ainda segundo Costa, que vai coordenar o projeto, a potência do composto é comparável à das fezes da galinha, e superior à do esterco bovino. “Isso é inédito no mundo. Acho que deve incentivar outros bancos centrais a fazer o mesmo”, afirmou, lembrando que a ideia será patenteada.

2 de ago de 2010

Prêmios Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente com inscrições abertas

Os prêmios “Professor Samuel Benchimol” e “Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente”, versão 2010 foram lançados dia 21 último no auditório da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia, em Porto Velho. Considerado um dos maiores eventos de incentivo ao desenvolvimento sustentável da região Norte, os prêmios estimulam projetos com perspectivas ambientais, sociais, tecnológicas e de empreendedorismo regional.

Os interessados em concorrer poderão inscrever seus projetos até o fim de agosto pelo site
www.amazonia.desenvolvimento.gov.br, nas categorias Natureza Ambiental, Natureza Econômico-Tecnológica, Natureza Social, além da indicação de uma Personalidade Amazônica no “Prêmio Professor Samuel Benchimol”. Já para o “Prêmio Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente”, as categorias são: Empreendedorismo Consciente, Projetos Estruturantes e Empresas na Amazônia. E em especial para esta edição 2010, foram criadas duas novas categorias: Distinção Produtiva Amazônica e Presença Judaica na Amazônia.

Informações do portal Em Rondônia

1 de ago de 2010

Oficina Dramatização do Corpo

Dramaturgia do Corpo: diálogos entre a dança e o teatro na formação do ator e da cena.
EmentaExistem muitas metodologias possíveis para o desenvolvimento das qualidades do ator e da construção da cena. Para cada escolha estilística corresponde um procedimento artístico específico, e vice-versa.
Neste workshop, a dança contemporânea é o mote para trabalhar a “presença cênica” do ator, pautada em exercícios que visam oferecer um maior conhecimento do próprio corpo e do corpo do outro.

Também é a base para a construção criativa de cenas, que tem no ator (na sua presença psicofísica) o principal eixo do fazer teatral. Nesse contexto, o corpo é gerador de significados próprios, que se situam numa zona limítrofe, entre o gesto figurativo e o movimento abstrato.

Carga horária: 8h
Dia da oficina: 08/08/2010
Horário: Das 09 as 13 e das 15 as 19 horas
Idade mínima: a partir de 18 anos
Local: Teatro Porão Sesc Araxá
Valor da Inscrição: R$ 5,00
Local da inscrição: Central de Atendimentos Sesc Araxá
APENAS 20 VAGAS
PARTICIPE!!!!!!
Assessoria Sesc Amapá