29 de jul de 2009

O jogo virtual da página 161

(Mulher com Livro, de Pablo Picasso)
Adoro brincadeiras virtuais, dessas que unem um blog a outro, sintonizando pessoas que, feito eu, aderiram a esse jeito livre e solto de exercitar a escrita e o pensamento. Ao receber o convite de quem já está na teia, a gente escolhe o livro que quiser, depois publica no blog a quinta frase (ou parágrafo) da página 161. Feito isso, o passo seguinte é escolher outras três pessoas amigas que escrevam na internet e passar à frente a brincadeira.

Recebi o convite da Vássia Silveira, jornalista e escritora. Ela tem dois blogs recheados de lindos textos. No Toda Quinta publica crônicas e no Blog da Vássia notícias e dicas de cultura, com ênfase para a literatura. É importante dar crédito a quem fez o convite publicando o link da pessoa. Isso faz com que a brincadeira fique mais viva.


Escolhi Noites do Sertão, de João Guimarães Rosa. Editado pela Nova Fronteira. Adorei a experiência de ir buscar a quinta frase da página 161. Mesmo tendo lido a obra, a gente não imagina o que vai encontrar e como um pequeno trecho pode conter tantos significados. O trecho diz o seguinte:

“Nhô Gualberto ria em cima de seu mole cigarro. Daí, era um sorriso, com senvergonhice e vergonha. Moderava um desdém, pelas mulheres, por seus dengos e atrevimentos de criaturinhas protegidas, em respeito mesmo de sua qualidade frágil. Assim, de mistura, uma admiração com gulodice, que ele não podia esconder. – Mulher tira idéia é do corpo...”

Para continuar a brincadeira eu convido o Quinan, do
Abaribó; a Kiara, do Neste Instante e a Camila, do Paralelos do Cotidiano.

28 de jul de 2009

Ave Maria dos loucos

A ventania entrava por todas as portas da antiga catedral rastreando pesares e lamúrias há séculos espalhadas por entre os bancos. Trazia a notícia da chuva forte que viria em despedida do inverno. Sentei na direção da luminosidade para sentir o vento subir por minhas pernas, cercar meu corpo até levantar a mecha de cabelo que se soltara do grampo pendendo sobre meu rosto. Fechava os olhos e sentia todo o frescor da ventania.

Diante de mim, ocupando os bancos mais próximos do altar, um punhado de beatas rezava o terço num murmúrio compassado que lembraria um mantra, não fosse a voz destoante, mais alta e falada num quase dialeto, que parecia vir da fileira ao lado, próxima ao corredor que separa a matriz da biblioteca pública da cidade. Abri os olhos e discretamente procurei pela voz.

O homem com roupas sujas e desajeitadas, segurando um terço enorme que mais parecia uma corda, rezava a Ave Maria dos loucos. Apontava as beatas e, como se delas se queixasse, levava o indicador até a imagem de Jesus Cristo expressando toda sua inquietação em gestos contundentes. De repente levava as mãos à cabeça, esfregando com vigor como se quisesse dissipar sua confusão mental.

Fiquei pensando sobre a subjetividade daquele homem. O que o levaria a rezar? Que resquícios de compreensão, fé ou temor ele ainda mantinha? Então, olhei para as beatas e vi que algumas rezavam sem fervor, apenas num repetir mecânico de orações decoradas. Quantas vezes elas faziam aquilo por dia, por semana? O louco expressava mais verdade no seu clamor confuso.

Sossegado o vento, a chuva já desabava sobre os telhados e as ruas quando o homem do terço comprido levantou-se do banco e seguiu em direção a uma das portas da igreja. Olhou a chuva, voltou a falar com Jesus Cristo impávido em seu manto vinho sobre a túnica cor de areia e partiu. Voltei a ouvir o murmúrio das beatas e tentei recuperar minhas intenções de prece.

Havia ido ali rezar mesmo por quem? Egoisticamente por mim? Autruisticamente pelos outros? Demagogicamente pelo mundo? Deus reconhece as intenções. Quis deixar a mente esvaziar-se dos pensamentos como fazem os que meditam. Será que eles conseguem? Pensamentos têm vida própria e não costumam obedecer assim com facilidade.

Então fui direto ao assunto: eu. De novo? Disse Deus aqui dentro da minha cabeça. É, Senhor! Euzinha mesmo. E digo logo que nem sei por onde começar, portanto, paciência aí. Mas, a conversa foi tomando outro rumo. Quem era louco? O homem que rezava em dialeto alucinante, as beatas que faziam de conta ou eu que os observava? Senti que Deus riu e deixou por minha conta encontrar a resposta.

26 de jul de 2009

Ana Alice manda recado da bacia da vovó


Oi pessoas! Lembram de mim? Sou Ana Alice. Daqui a alguns dias completo seis meses de nascida nessa vida aqui. E já tomo banho de bacia na casa da minha avó Vera. É tão bacana, vocês deveriam experimentar. Ah! Mas, acho que não tem baciona pra caber gente desse tamanhão. Que pena!

Esse braço peludo que me segura é do meu pai Eduardo. Arg! Ele ta esfregando meu pescocinho. Bem, mas quero mesmo falar é da água. Antes de eu nascer me pediram lá em cima pra trazer um recado pra vocês. Se a gente gastar água demais, ela acaba e o planeta fica seco.

Ih! Se não tiver mais água como é que eu e todo esse pessoalzinho que ainda está nascendo por aí vamos viver? Então turma grande, vê se manera na gastança e desliga a torneira quando não estiver usando. Agora deixa eu mergulhar na bacia da minha avó que ta bom demais. Ei pai, não me tira daqui agora eim?

25 de jul de 2009

Gostei da idéia: PV quer lançar Marina Silva à presidência

(Foto: Blog Ambiente Urbano)
Por sua biografia, prestígio internacional, coerência de ideias, coragem, Marina Silva poderia escolher qualquer partido, especialmente se estiver mais à esquerda, onde vem se situando antes mesmo dos primeiros passos eleitorais dados no Acre, para criar sua base de atuação. Contudo, não cogitou ainda de transferir-se do PT, o Partido dos Trabalhadores, onde ingressou depois de, primeiro, militar na CUT como líder seringalista do grupo do já lendário Chico Mendes, para qualquer outra agremiação.

Isto não significa que as legendas não estejam cobiçando a líder ambientalista. O Partido Verde (PV) saiu na frente, quer Marina para ser sua candidata a Presidente da República e está se adiantando porque, nas avaliações que fez, considera pífio o apoio que o PT dá a ela, às suas teses, a seu trabalho. O PT e, mais que ele, o governo Luiz Inácio Lula da Silva inteiro, do qual Marina foi a ministra do Meio Ambiente do primeiro mandato e do início do segundo.

...

Já existe um blog dos partidários desta postulação que a ex-ministra atribui, modestamente, a "coisa de estudantes". Segundo análises preliminares, Marina teria uma votação maior do que a possível, hoje, para a ex-senadora Heloisa Helena, por exemplo, que está, inclusive, perdendo o eleitorado do funcionalismo público, novamente reconciliado com Lula. Marina Silva teria espaço garantido na classe média, onde o PV se vê, também, com base sólida. E poderia iniciar sua trajetória com 8% a 9% dos votos, reunidos pelo seu carisma e suavidade, atributos que são seus mais do que de outros bem sucedidos candidatos.

Por Rosângela Bittar
Valor Econômico

Hum... vai um pedacinho aí?


A receita não é minha, é do Jamie Oliver, chef britânico que faz ao vivo na GNT suas guloseimas no programa "Truques do Oliver". O "bolo de banana com sementes de papoula" quase pulou da telinha no meu colo. Então, caneta e caderno na mão saí anotando os ingredientes. No final da tarde, no supermercado, não encontrei as sementes de papoula e resolvi aboli-las da receita. Sabe lá se isso não ia deixar todo mundo maluco lá em casa.

Antes do bolo uma sopa de carne para meus pais. O ritual começa com música, Toquinho e Miúcha com a boa e sempre atual Bossa Nova. Refogado de carne (chambari) cortada em pedaços pequenos, água quente, panela de pressão, legumes quadradinhos, as folhas e as pequenas bruxarias com o tempero. No forno torradinhas com manteiga e orégano para acompanhar.

Feita a sopa, chega a hora do bolo. Quem quiser anote aí, vale à pena. Na batedeira bata 01 mais ¾ de xícara de chá de açúcar mascavo com 01 xícara mais 01 colher de sopa de manteiga (não compre à retalho que geralmente vem rancenta). Depois acrescente as bananas maduras em rodelas; se forem médias, 03, se forem enormes como as do tipo prata que comprei, uma e meia é o suficiente. Bata até que a banana se desfaça no creme.

Acrescente então as gemas de 04 ovos (as claras deixe separadas para o final), vão aí também 06 colheres de sopa de creme de leite (pode ser substituído por iogurte natural) e as tais sementes de papoula (02 colheres de sopa) que suprimi. Nesse ponto despeje aos poucos 03 xícaras mais 01 colher de sopa de farinha de trigo. Quando estiver bem misturada a farinha, acrescente 01 colher de sopa de essência de baunilha, 01 pitada de sal (não exagere) e 01 colher de sopa de fermento em pó.

Bata as claras em neve e acrescente 06 colheres de sopa de açúcar e uma pitada de sal. Misture esse merengue delicadamente à massa do bolo, com espátula ou colher. Se bater na batedeira desanda. Asse em forma untada e coberta com papel manteiga (jeito do Oliver). Eu assei sem o papel, mas polvilhei como se faz normalmente. Asse por 45 min em temperatura de 160ºC ou 180ºC. Não vá assar em fogo alto e queimar a casca do bolo. Paciência nessa hora é ciência.

Com o bolo assado e desenformado é hora de preparar a cobertura. Simples: misture 02 xícaras de açúcar de confeiteiro com raspas e suco de 01 limão. Escolha um limão grande e com caldo para dar certo. Misture bem e jogue por cima do bolo. Essa cobertura endurece rápido, portanto não tente esfregar muito na superfícia que vai acabar lascando o bolo. Aqui em casa quem provou, adorou. Fica assim uma mistura de doce com azedinho maravilhosa.
Bem, depois de lamber a colher e a vasilha da massa, lave tudo direitinho que é pra dar exemplo.

Canal Brasil apresenta: Vozes da informação

Os bastidores da imprensa ganham as telas do programa, um bate-papo sem censura com os mais renomados jornalistas brasileiros. Em pauta, histórias, curiosidades e os desafios de uma profissão que, matéria a matéria, precisa se reinventar todos os dias. Direção de Jorge Brennand Jr.

Serviço
Vozes da Informação
Estréia dia 27 de julho
Exibições segundas às 21 horas e domingo ao meio dia e meio
No Canal Brasil

Por onde começa

(Tela "Happy Gilrs IV" de Marta Arnau)

A paz começa em mim.

Frase da campanha do Centro Espírita Missionários da Luz, em Macapá, estampada em camisetas.

23 de jul de 2009

Que assim seja

(Imagem "Morning Glory" de Steven Mitchell)

Que neste planeta azulado,
os filhos da Terra encarnados
estendam os braços para as manhãs.

Que o planeta, definitivamente,
com um clarão confronte as mentes,
banhando de luz os corações da gente.

Que a chama viva do amor em paz,
por entre as pedras renasça pura e bela,
entrando farta pelos desvãos das janelas.

Que o sol se expanda no infinito,
fazendo claro o mundo e mais bonito,
no saber ser ente de cada vivente

Seja viva a vontade para o trabalho.
Seja alegre a sede de mais saber.
Seja amorosa a convivência no amanhecer.

Prêmio Rumos do Jornalismo Cultural prorroga inscrições

O Prêmio Rumos do Jornalismo Cultural prorrogou as inscrições para a 3ª edição do concurso e ampliou o edital. Quem quiser participar da premiação pode se inscrever até o dia 14 de agosto. O evento é promovido pelo Itaú Cultural. Além da prorrogação, o edital ampliou a abrangência da categoria Estudante, que agora aceita alunos do terceiro ao sexto período de jornalismo.

Entre as mudanças para esta edição, que abrange o biênio 2009-2010, está a possibilidade de inscrição de um blog de cultura, também na categoria Estudante. Os alunos podem participar também nas categorias Reportagem para Mídia Impressa, com um texto de até 6 mil caracteres; e Reportagem para Mídia Sonora, com uma gravação em áudio de 4 a 5 minutos de duração.

Os professores podem concorrer com um texto individual, ainda não publicado, de 15 a 30 mil caracteres com espaços com o tema: Aperfeiçoamento do Professor de Jornalismo Cultural e/ou Formação do Aluno em Jornalismo Cultural. O trabalho pode ser uma reflexão, projeto ou case e deve ser acompanhado de objetivo, justificativa e resumo, de acordo com as normas da ABNT.

PremiaçãoNa categoria Estudantes, os selecionados participarão do Laboratório On-Line de Jornalismo Cultural, de março a novembro de 2010, e receberão bolsa mensal de R$ 700 para realizar uma matéria especial na categoria na qual se inscreveu. Os premiados ainda receberão ajuda de custo e R$ 1 mil como licenciamento dos direitos autorais para publicação da reportagem.

Os professores selecionados farão participação quinzenal no grupo de trabalho do Fórum Rumos Jornalismo Cultural, entre março e agosto de 2010, além de pagamento de R$ 700 pelo licenciamento dos direitos autorais de exibição do texto selecionado no site do Itaú e uma bolsa de R$ 4 mil, dividida em quatro parcelas. Os docentes receberão ainda R$ 2,2 mil pelo licenciamento dos direitos autorais dos trabalhos realizados no fórum, além de outros benefícios.

ServiçoInscrições:Rumos Jornalismo CulturalInscrições gratuitas, para estudantes e professores, até 14 de agosto de 2009Pelo site
www.itaucultural.org.br/rumos

Itaú Cultural
Av.Paulista, 149 - Metrô Brigadeiro
Fones: (11) 2168-1776 / 1777
Terra Notícias

21 de jul de 2009

Uma prece...

(Tela "Folies Bergere, Arc en Ciel" de Jules Chéret)
Que a Terra se aquiete em tolerância
para com a desatenção dos homens,
regenerando suas forças,
assegurando assim o futuro de cada criança.

Que os homens ouçam a voz da Terra,
soprada pelos ventos,
e pintem seus cabelos com as cores do um arco-íris
vergado no arco do tempo.

Que a humanidade inteira,
num instante de lucidez reescreva sua história
e transforme o desejo de mudança
em atitude de perseverança.

Por onde começa

(Tela "Happy Girls II" de Marta Arnau)


“Eu me transformo e transformo o mundo.”

Campanha do Centro Espírita Casa de Amor, em Macapá-AP, estampada em camisetas.

Atitude: Felicidade em boa conta

Era uma vez um pequeno país que teve uma grande ideia: medir seu crescimento socioeconômico de acordo com indicadores do bem-estar individual de seus habitantes. Saiba como esse conceito inovador já está atraindo a atenção do mundo, incluindo o Brasil.

Em certo dia do ano de 1986, no distante Butão – pequeno país encravado nas montanhas do Himalaia, onde atualmente vivem cerca de 700 mil habitantes, a maioria seguidora do budismo –, o rei Jigme Singye Wangchuck, de apenas 17 anos, questionado por um jornalista sobre a crise econômica que ameaçava seu reino, disparou: “Felicidade Interna Bruta [FIB] é mais importante que Produto Interno Bruto [PIB]”. O que – à primeira vista – poderia ser entendido apenas como uma frase de efeito de um nobre adolescente acabou por tornar-se a semente de um novo conceito para medir a saúde econômica e social de um país.

Aos poucos, a idéia ultrapassou fronteiras para encontrar seguidores de peso em lugares bem distantes do Butão – como Canadá, União Europeia e Brasil. A própria Organização das Nações Unidas vem patrocinando conferências no intuito de internacionalizar os conceitos da FIB, que, em linhas gerais, são felicidade, bem-estar e qualidade de vida da população.


Mas, afinal, como mensurar essa tal Felicidade Interna Bruta? Para responder a essa pergunta, o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (Pnud) criou o Centro para os Estudos do Butão. Para o vice-presidente do Conselho Nacional do Butão, Dasho Karma Ura, os conceitos da Felicidade Interna Bruta podem ser comparados a uma roda de bicicleta. No centro estão as metas finais da FIB, que são bem-estar, felicidade e qualidade de vida. Os raios da roda são os meios para atingir as metas.

Os nove indicadores:

1. Bom padrão econômico – avalia o status econômico dos cidadãos, os níveis de renda (e endividamento) individual e familiar, a segurança financeira, a qualidade das habitações.

2. Boa governança – mensura como o desempenho dos governos é assimilado em termos de eficácia, honestidade e qualidade, incluindo liderança em vários níveis, na mídia, no Judiciário, na polícia e nas eleições.

3. Educação de qualidade – detecta a contribuição para conhecimento, valores, criatividade, competências, capital humano e sensibilidade cívica de todos os níveis da população.

4. Saúde – avalia o status de saúde da população, seus fatores determinantes e o sistema de saúde em si.

5. Vitalidade comunitária – faz foco nos pontos fortes e fracos dos relacionamentos e das interações nas comunidades. Avalia a natureza da confiança e da sensação de pertencimento, a vitalidade dos relacionamentos afetivos, a segurança em casa e na comunidade, a prática de doação e de voluntariado.

6. Proteção ambiental – mede como estão os recursos naturais e as consequências das pressões do desenvolvimento sobre os ecossistemas.

7. Acesso e diversidade cultural – deve ser meta fundamental de política pública, em que se reconhece o valor das tradições na formação da identidade e na base criativa para o futuro.

8. Gerenciamento equilibrado do tempo – uma das mais eficazes portas de entrada para a qualidade de vida, inclusive com o reconhecimento do valor do lazer, do contato com a natureza e dos laços sociais compartilhados com a família e os amigos.

9. Bem-estar psicológico – como está o contentamento, a satisfação com todos os elementos da vida e a saúde mental das pessoas.

Texto: Afonso Capelas Jr
Revista Bons Fluídos – Maio/2009

19 de jul de 2009

Twitter: primeiras impressões

O Twitter vem na esteira da tendência de dar notícias em poucas linhas, criada por um seguimento do jornalismo americano, que parte do pressuposto de que as pessoas não têm tempo para ler e que por isso precisam de notícia veloz.

Azar de quem não tem tempo para ler. Sou da escola dos que gostam de escrever e de ler por prazer. Não consumo notícia por compulsão. Dá até uma gastura essa sensação. Assim, de cara, esse novo jeito de escrever/ler na internet me causa ansiedade, sensação de vazio de conhecimento, centrifugação da informação, fragmentação da compreensão.

Por enquanto tenho preguiça do Twitter...

Black or White - Americanos

(Michael Jackson por Richard E. Aaron)
video
Black or White
(Michael Jackson)

I took my baby
On a saturday bang
Boy is that girl with you
Yes we're one and the same
but I believe in miracle
And a miracle
Has happened tonight
If you're thinkin'
About my baby
It dont matter if you're
Black or white
They print my message
In the saturday sun
I had to tell them
I aint second to none
And I told about equality
An it's true
Either you're wrong
Or you're right
If you're thinkin' about my baby
It dont matter if you're black or white
If you're thinkin' of
Being my baby
It dont matter if you're black or white
If you're thinkin' of
Being my brother
It dont matter if you're
Black or white ...

Americanos
(Caetano Veloso)
Americanos pobres na noite da Louisiana
Turistas ingleses assaltados em Copacabana
Os pivetes ainda pensam que eles eram americanos
Turistas espanhóis presos no Aterro do Flamengo
Por engano
Americanos ricos já não passeiam por Havana
Veados americanos trazem o vírus da AIDS
Para o Rio no carnaval
Veados organizados de São Francisco conseguem
Controlar a propagação do mal
Só um genocida potencial
- de batina, de gravata ou de avental -
Pode fingir que não vê que os veados
- tendo sido o grupo-vítima preferencial -
Estão na situação de liderar o movimento
Para deter a disseminação do HIV
Americanos são muito estatísticos
Têm gestos nítidos e sorrisos límpidos
Olhos de brilho penetrante que vão fundo
No que olham, mas não no próprio fundo
Os americanos representam grande parte
Da alegria existente neste mundo
Para os americanos branco é branco, preto é preto
(E a mulata não é a tal)
Bicha é bicha, macho é macho,
Mulher é mulher e dinheiro é dinheiro
E assim ganham-se, barganham-se, perdem-se
Concedem-se, conquistam-se direitos
Enquanto aqui embaixo a indefinição é o regime
E dançamos com uma graça cujo segredo
Nem eu mesmo sei
Entre a delícia e a desgraça
Entre o monstruoso e o sublime
Americanos não são americanos
São velhos os homens humanos
Chegando, passando, atravessando.
São tipicamente americanos.
Americanos sentem que algo se perdeu
Algo se quebrou, está se quebrando.

(Album Circuladô Vivo - Caetano Veloso)

Baia Cool Jazz Festival nas areias de Salinas

(Tela "Waiting for the Concert" de Rosina Wachtmeister)

Jazz, blues e surf music nas areias de Salinas. Uma profusão de gêneros no Baia Cool Jazz Festival, que começou na última sexta-feira (17), na praia do Farol Velho, em Salinas / PA. Três dos destaques da programação, o norte-americano J. J. Jackson, a dupla de violinistas brasileiros Duofel e os gaúchos do Pata de Elefante, são exemplos de gêneros tão díspares quanto o blues, a música instrumental e a surf music.

Em sua sexta edição, o festival cresceu e consolidou-se como referência do gênero no Estado. Pelo seu palco já se apresentaram o saxofonista Leo Gandelman, o multi-instrumentista mineiro Toninho Horta e o guitarrista Mark Lambert, que produziu discos de Astrud Gilberto. No comando da casa está o intrépido baixista e promotor Minni Paulo Medeiros. Desde 2003, ele organiza as duas edições do festival que acontece, respectivamente, no fim do primeiro e do segundo semestres em Salinas e na capital paraense.

Programação

No sábado (18) o festival apresentou a dupla de violinistas Duofel que trouxe, pela primeira vez a um palco paraense, seu mais recente projeto, baseado na obra dos Beatles. Logo em seguida, dividindo o palco com os músicos, foi a vez da jazzista norte-americana Nika Stuart. No domingo (19), foi a vez do cantor norte-americano J.J. Jackson, um dos maiores intérpretes de jazz e blues da atualidade, que já teve ao longo de sua carreira parcerias com mestres do gênero, como BB King e Jimi Hendrix.

A programação segue no próximo final de semana com os shows da cantora nova-iorquina de soul e jazz Alma Thomas e do paraense Minni Paulo, dia 25. Os paraenses do Malandros do Blues junto com o grupo gaúcho de surf music Pata de Elefante fecham o festival, dia 26.

Fonte: Diário do Pará

18 de jul de 2009

Penúrias

(Tela "Model Writing Postcards" de Carl Larsson)
Só porque voltara a escrever,
mesmo que penúrias,
naquela noite não haveria de chorar.

Sacolas plásticas: porque optar pelas duráveis como faziam nossos avós

O mundo produz sacolas plásticas desde a década de 1950. Como não se degradam facilmente na natureza, grande parte delas ainda vai continuar por mais de 300 anos em algum lugar do planeta.

Calcula-se que até um trilhão de sacolas plásticas são produzidas anualmente em todo o mundo. O Brasil produz mais de 12 bilhões todos os anos e 80% delas são utilizadas uma única vez.

Sacolas plásticas são leves e voam ao vento. Por isso, elas entopem esgotos e bueiros causando enchentes. São encontradas até no estômago de tartarugas marinhas, baleias, focas e golfinhos mortos por sufocamento.

Várias redes de supermercados do Brasil e do mundo já estão sugerindo o uso de caixas de papelão e colocando à venda sacolas de pano ou de plástico duráveis para transportar as mercadorias.

Sacolas plásticas descartáveis são gratuitas para o consumidor, mas têm um custo incalculável para o meio ambiente.

Fonte: Instituto Akatu pelo Consumidor Consciente

MinC abre edital para selecionar pareceristas

O Ministério da Cultura seleciona até o dia 28 de agosto especialistas para montar um Banco de Pareceristas habilitados a examinar projetos que postulem verbas da Lei Rouanet. O primeiro edital de pareceristas foi publicado na segunda-feira e revela intenção de expandir as formas de análise dos projetos do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac), hoje considerado um dos pontos fracos do Ministério da Cultura.

O parecerista será avaliado por meio de seu currículo, da formação acadêmica, experiência profissional e da habilitação que demonstrar em determinada área. Receberá pontos por cada item. Selecionado, ele fica à disposição num banco de dados durante 12 meses, e pode ser acionado para examinar determinados projetos. Receberá de R$ 122 a R$ 1,6 mil pela colaboração, de acordo com a complexidade do projeto. “O objetivo é a celeridade, a transparência e a qualificação”, diz nota oficial do ministério.

Agência Estado

16 de jul de 2009

Temporais

(Tela "Island Time With Window", de Diane Romanello)
Quando a tristeza corroer o coração,
quando amargar o fel da decepção,
quando a vida se mostrar um labirinto,
é hora de provar a dor do crescimento.
Viver a paciência sem tormento,
aquecer o espírito com a prece,
jogar sementes de perdão ao vento.

Navegar em águas mansas
não ensina a vencer o temporal.

A dama do telhado branco

Consulesa da Tailândia, Thassanee Wanick está à frente de uma campanha ambiciosa: pintar com cores claras o teto de casas e prédios para combater o aquecimento global.

Simples, barato e fácil. Se você ouvir a sorridente senhora acima mencionar esses adjetivos, pode se preparar: durante a próxima meia hora, ela tentará convencê-lo de que uma simples demão de tinta branca no telhado é capaz de reduzir as temperaturas em todo o mundo. Chato, hein? Não. O papo potencialmente maçante ganha outros contornos graças ao carisma de Thassanee Wanick, consulesa da Tailândia em São Paulo e ongueira, que não perde uma chance de divulgar o projeto Um Grau a Menos. "É minha grande paixão no momento", conta.

Trata-se de uma campanha da ONG Green Building Council Brasil que consiste em trocar as cores escuras de tetos e playgrounds por tons os mais claros possíveis, o que diminuiria o aquecimento global. "Um telhado branco de 100 metros quadrados compensa a emissão de gás carbônico anual de uma casa", estima ela, com base em dados do laboratório americano Lawrence Berkeley, ligado à Universidade da Califórnia.

Por refletirem a maior parte dos raios solares, tetos com cores claras diminuem a temperatura interna dos edifícios e, assim, fazem com que geladeiras e aparelhos de ar condicionado consumam menos energia. "É o mesmo princípio que faz alguém sentir mais calor com roupa preta do que vestido de branco", explica o físico José Goldemberg, ex-ministro de Ciência e Tecnologia.

Alvaro Leme

Revisa Veja São Paulo – 24/06/2009

Ministério da Cultura abre inscrições para processos seletivos

O Ministério da Cultura (MinC) e suas instituições vinculadas apoiam, por meio de editais de seleção pública, projetos e iniciativas culturais. Até o final de agosto estão abertas as inscrições para diversos processos seletivos. Confira os concursos e premiações, conforme o segmento cultural:

Diversidade Cultural
Prêmio Cultural Loucos pela Diversidade - Edição Austregésilo Carrano - O Edital destina-se a premiar iniciativas culturais de instituições públicas ou privadas, sem fins lucrativos, que atuam na interface saúde mental e cultura. As inscrições podem ser feitas até o dia 27 de agosto em http://www.cultura.gov.br/site/2009/05/25/edital-premio-cultural-loucos-pela-diversidade/

Artes Integradas
Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural - Apoio financeiro para custeio de transporte para viagens em outubro. O programa se destina a artistas, técnicos e estudiosos da área cultural, convidados a participar de eventos fora do seu local de residência, para apresentar trabalho próprio, fazer residência artística ou curso de capacitação de profissionais da cultura. As inscrições vão até o dia 31 de julho. Saiba mais em http://www.cultura.gov.br/site/2009/04/24/edital-de-intercambio-n%c2%ba-22009/

Livro e Leitura
Prêmio Viva Leitura 2009 - São R$ 30 mil para cada um dos vencedores das três categorias da premiação: Bibliotecas Públicas, Privadas e Comunitárias; Escolas Públicas e Privadas; e Sociedade. As inscrições poderão ser feitas via internet, pelo site www.premiovivaleitura.org.br ou por carta registrada para Caixa Postal 71037-7, CEP 03410-970, São Paulo – SP até o dia 24 de julho.

Patrimônio
Arte e Patrimônio 2009 - Voltado para projetos de interação entre artes visuais contemporâneas e patrimônio artístico e histórico nacional. Inscrições até o próximo dia 24 no site www.artepatrimonio.org.br.
Fonte: Ministério da Cultura

14 de jul de 2009

Fraternura

(Fotografia "Hide and Seek", de Hart)

Amor de amigo é espelho que a gente não vê.
Reflete com delicadeza, de nós, cada fraqueza.
Sua moldura sincera revela a estima que nos protege.

Amor de amigo é pêndulo no relógio do querer.
Badala as falas que relutamos compreender,
recolhe nossos pedaços na soleira do amanhecer.
Olha bem dentro da nossa embriaguez
compreende e perdoa cada insensatez.

Amor de amigo se alegra ao nos ver passarinhos,
chora ao nos ver, por vezes, tão miudinhos.
Reluz em nós a brandura da ponderação

porque amigo é matéria-prima do coração.

Água rasa

(Tela "Angel with fountain" de Tadiello)
poço d'água rasa
prenúncio de verão
poesia redundante
secura na estação

sabedoria rasa
precipício de ilusão
relento de incertezas
alento à solidão

Eco-cidadania em vídeos

Recife e o arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco, receberão pela primeira vez, em agosto, um festival de cinema e vídeo ambiental, o I Eco Cine Noronha, que recebe inscrições de animações, curtas e médias metragens e documentários até 25 de julho.

O paraíso avistado há mais de 500 anos por Américo Vespúcio, expedicionário italiano, ganha pela primeira vez um festival internacional de cinema e vídeo ambiental, que visa integrar produtores e diretores nacionais e internacionais e, através de seus filmes, estimular a consciência eco-cidadã entre os participantes da mostra, que será composta por duas fases:
- a primeira tem caráter competitivo e acontecerá em Recife, entre 11 e 12 de agosto
- a segunda, em Fernando de Noronha, entre os dias 20 e 22 de agosto, exibirá os vídeos premiados sobre preservação do ambiente.

No arquipélago, também serão realizadas oficinas de capacitação na área audiovisual voltadas para os moradores da região e para a escola estadual Arquipélago Fernando de Noronha. Palestras, apresentações culturais e exposições de artes plásticas também fazem parte da programação.

Os vídeos apresentados em Recife serão julgados por uma comissão de especialistas e, também, por um júri popular. As categorias são:
- filme de animação
- média metragem
- curta metragem
- documentário e
- filme escolhido pelo júri popular.

Para participar da mostra os trabalhos nacionais e estrangeiros não podem ter sido realizados antes de 2006 e os vídeos de todas as categorias devem ser em formato digital ou película. Confira o regulamenton no site do festival. As inscrições vão até o dia 25 de julho e podem ser feitas pelo e-mail festival@ecocinenoronha.com.br e postadas juntamente com o material gravado em DVD, acompanhado de filmografia do realizador e de duas fotos de cenas da obra.
Eco Cine Noronha
Recife: 10 e 11 de agosto (mostra competitiva)
Fernando de Noronha: de 20 a 22 de agosto (mostra dos trabalhos premiados)
Informações: (81) 3243 3584

Paulo Proença
Planeta Sustentável - 02/07/2009

Atitude: O pai da cidade-poesia

José Eduardo Mendes de Camargo desenvolveu o projeto Entreversos, que procura transformar Dois Córregos, no interior paulista, numa cidade onde toda a população está ligada à poesia.

A poesia pode trazer mudanças sociais?
Ler ou escrever poemas é algo intensamente transformador. Entrar em contato com o mais profundo da alma aguça o olhar das pessoas para o mundo e para os próprios sentimentos. E esse mergulho pode ser feito por meio dos versos. Dois Córregos é uma cidade de 20 mil habitantes numa zona de canaviais. Hoje temos empresas que reservam tempo e lugar para seus funcionários lerem poesias, as paredes da cadeia pública da cidade são cobertas de poemas feitos pelas presidiárias. E cortadores de cana são capazes de expressar sua realidade em rimas.

Como surgiu a ideia?
Vim de uma família de professores e gente ligada ao ensino. Mas foi um declamador de poesias da região, Deoclezio Rodolfo, que me deixou apaixonado por esse mundo de poetas. Ele declamava nas festas locais, nas cidades vizinhas, e foi tão famoso que até presidentes mandavam buscá-lo para recitar versos. Não havia quem não fi casse arrepiado ao ouvi-lo. Ele me estimulou a escrever, e arrisquei. É uma experiência tão gratifi cante que resolvi criar, em 1996, o Instituto Usina dos Sonhos. O Entreversos é um dos projetos da entidade para estimular a cultura de paz na região.

O que muda na cidade com o projeto?
Hoje temos um festival nacional de poesia, um livro para ser lançado com os poemas feitos pela população, o ensino da poesia como matéria em escolas públicas e particulares. O projeto também foi reconhecido pelo PNUD, o programa das Nações Unidas para cultura e desenvolvimento. Ah, e Dois Córregos se transformou na cidade-poesia.

Saiba mais sobre esse assunto em:
http://www.usinadesonhos.org.br/

Fred Itioka; Leandro Sarmatz; Liane Alves; Mariana Sgarioni; Rafael Tonon
PS: José Eduardo Mendes Camargo é Diretor do Comitê de Ação Cultural da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP.

13 de jul de 2009

Fundação Palmares divulga edital internacional para empreendimentos culturais de afrodescendentes

Por petição das organizações rurais de afrodescendentes, o programa ACUA prolonga o prazo de recepção das candidaturas para o seu Segundo Edital Internacional para empreendimentos culturais de afrodescendentes.
O Edital ficará aberto até à terça feira 21 de julho 2009 às 17h00, anunciou hoje a Fundação Palmares, ligada ao Ministério da Cultura do Brasil.
Desde o dia 08 de maio de 2009, o Programa Regional de Apoio às Populações de Rurais de Ascendência Africana da América Latina - ACUA, do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola - FIDA, apresentou às organizaçoes de afrodescendentes rurais dos sete países da área de cobertura (Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Panamá, Peru e Venezuela) o seu Segundo Edital Internacional de empreendimentos culturais, uma iniciativa que pelo segundo ano consecutivo reúne as melhores e mais notáveis experiências de empreendimentos culturais de organizações afrodescendentes em áreas rurais.
"Esses editais têm permitido ao Programa identificar, conhecer e apoiar experiências e trabalhos comunitários que têm um amplo impacto na vida de comunidades afrodescendentes organizadas. Essas mesmas comunidades levam adiante grandes esforços conjuntos ao redor da defesa e o resgate dos seus saberes tradicionais, assim como na potencialização dos seus ativos culturais", segundo a Fundação Palmares.Serviço Para mais informações, favor acessar ao site do Programa ACUA: www.programaacua.org na seção de "Novidades". Também se encontram disponíveis formatos físicos no escritório regional Programa.
África 21 digital
Da Redação

12 de jul de 2009

Evento em Porto Alegre dá novo significado à velha sigla MPB

RIO - A nova MPB nasceu na última quarta-feira em Porto Alegre. Intitulada "I Fórum MPB (Música para baixar)", a série de debates sobre direitos autorais e mídias digitais que até sábado ocupa um auditório na Pontifícia Universidade Católica (PUC) da capital gaúcha tem pouco a ver com a boa, velha, surrada e, na opinião de seus integrantes, ultrapassada Música Popular Brasileira. E, sim, o nome do evento, que também batiza um fórum de discussão nacional, é uma provocação aos velhos baluartes da empoeirada sigla.


Texto completo em:
Ricardo Calazans
Jornal O Globo de 27/06/09

11 de jul de 2009

Dia da Cultura no SESC

Neste domingo (12), o programa Cultura do SESC terá ampla programação, das 9h às 22h no SESC Araxá.

Dia da Cultura

- Estátua viva com Débora Bauá;
- Coração Quilombo de Artes Tapuia com feira de artesanato;
- Grupo de batuque e marabaixo Raízes do Bolão;
- Pintura facial;
- Mostra de esportes radicais;
- Apresentação da quadrilha junina Revelação;
- Exposição fotográfica Amapá Exuberante por Natureza, de Roberto Almeida;
- Vídeo game;
- Workshop de desenho e exposição de Mangás;
- Exposição de Cosplay e palestra sobre animação no Brasil;
- Stand de acessórios de Mangás;
- Exibição de filmes;
- Contação de histórias;
- BiblioSESC;
- Construção de livro de pano;
- Música com Bebeto Nandes (horário do almoço, das 12h às 14h30);
- Apresentações teatrais:

Cia. Supernova Experimental de Teatro
Atração: Experimento Viúva, porém honesta

Grupo Desclassificáveis de Teatro
Atração: Performance: In Vitro

Cia. Mangai de Atividades Culturais
Atração: Performance – Sonhos

Grupo Em Cena Ação de Teatro
Atração: Performance – Poetizando

Grupo Encantaria de Teatro
Atração: Performance Poética – Improviso

Grupo Esquisofrenia de Teatro
Atração: Performance Circense: perna de pau, pirofagia, palhaços

Grupo Twist de Teatro
Atração: Performance – O Canto

Todos os artistas irão participar de um cortejo cultural durante a programação.
Além das atividades sistemáticas: banho de piscina, jogos de salão, jogos recreativos, brincadeiras lúdicas e científicas, atividades recreativas no parque aquático, alongamento, aulão de hidroginástica, avaliação nutricional, oficina de reaproveitamento de alimentos, limpeza de pele, aplicação e distribuição de protetor solar e a 2ª seletiva do Garoto e Garota SESC Verão 2009 e desfile de moda.

Entrada: Comerciário não paga mediante apresentação da carteirinha do Sesc atualizada e usuário paga R$5,00. Há venda de refeição e lanche.

Juliana Coutinho
SESC/AP - Serviço Social do Comércio
ASCOM - Assessoria de Comunicação e Marketing

7 de jul de 2009

Araciara Macedo: Decreto da saudade

Araciara Macedo/Arquivo Orkut
Kayke

Meus olhos já não conseguem ver com clareza teus traços nas fotografias, as mesmas fotografias que insistias em esconder de mim porque, como dizias, te pertenciam. Não preciso de óculos para ver com clareza, enxergo com os olhos do coração, com os olhos da alma arrebentada de saudades.

Na nossa casa estão espalhados pedacinhos de ti, pedaços que são descobertos quando menos esperamos uma assinatura em um pedaço de papel esquecido na gaveta, uma pagina de livro rabiscada no parágrafo que estavas lendo, a chave da cozinha, um CD com teu nome escrito. Uma camisa, a cueca do Piu-Piu, lembranças tuas que nos fazem rir e chorar.

Quatro anos mãe, como a gente está agüentando ficar tanto tempo longe dele? Disse-me a Ariel dia desses na volta da aula, com os olhos brilhando com lágrimas que tentou esconder de mim. Quatro anos, penso eu neste momento, como estamos conseguindo seguir em frente?

Quatro anos, disse teu pai com o rosto retorcido de tristeza durante nosso evangelho especial pra ti.

Quatro anos, meu anjo, e nós seguiremos em frente porque é assim que tem que ser.

www.altardaluacrescente.blogspot.com


PS: Há quatro anos o jovem Kayke, filho da escritora e produtora cultural Araciara Macedo e do cantor e compositor Zé Miguel foi assassinado no acostamento da Rodovia Duque de Caxias, em Macapá-AP, por outro jovem que dirigia bêbado e em alta velocidade. Depois de sua morte o casal levantou diversas camapnhas pela paz no trânsito. Porém, Macapá ainda figura entre as capitais com maior número proporcional de acidentes no trânsito. Esses acidentes, em sua grande maioria, estão associados à combinação do consumo de álcool com direção.

6 de jul de 2009

Nova Acrópole: programação de julho

Palestra
O QUE QUEREM OS JOVENS?
Profa. Alessandra Nogueira
Entrada Franca.
Dia 11/07, Sábado, às 19h

Ciclo Cultural
CICLO CULTURAL: A INDIA ANTIGA
Prof. Cleverson Barata
- Leitura Comentada do Livro “Bhagavad Gîtâ”; - Mini-curso: “A Sabedoria da Índia Antiga”
Entrada Franca.
Início: 12/07, Domingo, às 16h

Palestra
FEITOS INSPIRADORES DE ALEXANDRE, O GRANDE
Prof. Cleverson Barata
Belas histórias de heroismo e superação da vida de Alexandre, o Grande.
Entrada Franca.
Dia 18/07, Sábado, às 19h.

Palestra
O PODER DA MENTE SOBRE A MATÉRIA
Prof. Cleverson Barata
A mente é a ferramente mais poderosa de que dispomos, mas quando não sabemos usá-la isso nos atrapalha e prejudica. Nesta palestra aprenderemos mais sobre os mistérios da mente.
Entrada Franca.
Dia 25/07, Sábado, às 19h

Associação Cultural Nova Acrópole Macapá
Endereço: Biblioteca Pública - Rua São José, 1800 - CENTRO
Horário de Funcionamento: Seg a Sab das 19-22h.
Fone: (96) 9131-4398

4 de jul de 2009

Diálogo com a noite

Procurava o sono pelas cercanias do quarto de dormir. Ele, que outrora se mostrava sempre obediente ao esperá-la sobre o algodão macio do travesseiro, agora se rebelava e passava horas a se esconder nos desvãos da estante, por entre os livros, por trás do cabide de bolsas como um inquilino sorrateiro.

Sem ele e sua calma reparadora, ela enfrentaria um dia difícil ao amanhecer. Olhos pesados de sonolência e olheiras, cinzas de uma fogueira esmorecida, tingindo de cansaço seu semblante. O corpo se recusaria a acordar e a mente embaralhada buscaria esforços na razão para despertar.

Nessas horas preferia não mencionar, sequer pensar, insônia. Parecia-lhe que ao dar nome às peraltices do sono estaria dando a ele um diagnóstico decisivo. Como um rótulo que define alguém para sempre, sem que esse alguém tenha a chance de ser visto em suas múltiplas facetas. Como o louco, que mesmo são, sempre será louco.

E o sono soprava desafios ao ouvido dela, passando de soslaio pelo canto da escrivaninha. Queria vê-la desajeitada por dentro do pijama azul de bolinhas minúsculas, com os cabelos presos num coque desgrenhado, caindo por cima da jaqueta de lã que a fazia parecer sempre resfriada.

Não gostava de ver TV, o aparelho parecia-lhe um estranho pacote de muita gente a tagarelar invasivas palavras na sua intimidade. Preferia o exaustivo vício de pensar. Aqui e ali dava voltas na cozinha, um bico de pão, uma mordida no bolo de chocolate e um gole de guaraná diet direto na boca da garrafa. Quanta incongruência!

Deixava de lado os óculos, de propósito. Os muitos graus de deficiência na visão a impediam de ver os detalhes sórdidos da camada espessa de cobertura do bolo, então, tudo parecia menos grave. Era assim quando resolvia cantar em público. Sem ver as expressões das pessoas desatava a desafinar sem culpa.

Lembrando de coisas bobas ia armando ciladas para o sono sem que ele percebesse. Fingia não mais esperar por ele, até que enciumado o danado ia se chegando. Formava um bocejo longo, outro mais curto e entrecortado, um lacrimejar pelos cantos dos olhos até deixar tudo confuso nos pensamentos desatinados perdidos no corpo de pano...


(Tela "Sleeping Girl" de Rembrandt van Rijn)

Palestra: Os antepassados da Fortaleza de São José de Macapá


Com Dr Luis Jorge Rodrigues Gonçalves
Da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa
Local: Auditório da Fortaleza de São José de Macapá
Data: 08 de julho de 2009
Hora: 17h30
Coletivo Palafita

Workshop de Férias: Elaboração de Trabalhos Acadêmicos

O evento Workshop de Férias: “Elaboração de Trabalhos Acadêmicos”, coordenado pelo Profº M.Sc. Joaquim César da Veiga Netto visa proporcionar aos acadêmicos dos cursos de graduação e pós-graduação(especialização) oportunidade de aprimorar e expandir seus conhecimentos acerca da apresentação de trabalhos acadêmicos (TCC e Trabalho de conclusão de curso de especialização – Monografia).
Data: 15/07/09
Horário: 14:00 h as 18:00 h
Onde: Auditório da Reitoria da UNIFAP
Detalhes: Será aberto a qualquer pessoa.
Investimento: R$20,00

Inscrições: Portaria do Departamento de Processos Seletivos e Concursos/UNIFAP;
Sala da Coordenação do Curso de Artes Visuais/UNIFAP.
Período de inscrição: 06/07/2009 a 10/07/2009

M.Sc. Joaquim César da Veiga Netto

2 de jul de 2009

Terapeutica noturna

a palavra acorda dentro da gente
quer sair espontânea e livre
do fundo da mente
e nem sempre a gente sente

então ela percorre o corpo
inquietando os músculos das costas
agoniando as falanges dos dedos
num estalar dormente

faz revirarem os olhos insolentes
não pergunta que horas são
invade a quietude da madrugada
abrindo no sono um clarão

não respeita o silêncio da noite
faz despertar das quimeras o coração
palavra doida sem limite
agonia da expressão

avilta do papel a branquidão
quer sair de qualquer jeito
lanterna de foco
caneta na mão

desliza no leito macio
da folha nova
onde sem ela
habita a solidão

letra por letra cai azulzinha
grafando o que dá na telha
aliviando o pra sempre do peito
até regressar a mansidão

Sou Ana

video

Música "Sou Ana"

Com Ana Martel

De Enrico Di Miceli e Sérgio Souto

Do CD "Sou Ana"

Foto: Márcia do Carmo

Belém: Master class de percussão maranhense com Luiz Claudio Faria

Luiz Claudio Faria, paraense, percussionista, arte-educador e pesquisador da cultura popular, chegou ao Maranhão no final da década de 70. Lá desenvolveu extenso trabalho de pesquisa de campo coletando material e aprendendo junto a grandes mestres de tambor como Felipe, Leonardo, dona Teté e muitos outros.

Em 1984 participou do I Colóquio Internacional de Sobrevivências Religiosas Africanas na América latina e Caribe a convite da Unesco, onde foi membro da comissão cultural e tradutor das palestras. Em 1987 dirigiu o Beat and Beach, I encontro de percussão no Maranhão onde trouxe músicos como Robertinho Silva, Layne Redmond, Marco Suzano para shows e oficinas para a comunidade. Em 1987 criou o grupo FOGO DE MÃO, que participou do PERCPAN, Panorama Percussivo Mundial, em salvador em 1995, a convite de Naná Vasconcelos, onde tocou ao lado dos grandes nomes da percussão mundial.

Em 98, já em São Paulo, foi professor de ritmos maranhenses no Núcleo de Percussão Paulo Campos e ministrou diversas oficinas em universidades e conservatórios, como o conservatório Sousa Lima, filial da Berkelle School of Music no Brasil. Participou de várias oficinas com músicos do mundo inteiro. Participou de diversos festivais de Jazz e musica étnica. Tocou e gravou com Nelson Ayres, Ceumar, Naná Vasconcelos, Zeca Baleiro e Rita Ribeiro.

Em São Luis trabalhou com arte educação junto a diversas instituições como Funac (Governo), e a Fundação Cultural Banco do Brasil. Participou da criação do projeto Aldeia de Sons para a Ong Sítio do Barco em Alcântara e participou do projeto Cuidar da Unesco, junto a comunidades negras e quilombos do Maranhão. Atualmente residindo em São Luis , Luiz Claudio vem trabalhando com seu projeto Som na Lata, oficinas de reciclagem de lixo que a comunidade joga fora para confeccionar instrumentos de percussão e assessoria para empresas privadas em programas sociais e workshops de percussão.

SERVIÇO:
Data: 07 de julho de 2009 (terça-feira)
Hora: 15 às 19hs;
Inscrição no local – Vagas limitadas;
Investimento: R$ 10,00 para percussionista profissiona
R$ 5,00 para amadores
Local: Ná Figueredo – Av. Gentil Bittencourt, entre Dr. Morais e Benjamim Constant
Contatos: (98) 3235 -8479 / 9972 6263
luizclaudio@bsma.com.br

Att,
Executivas Produções
(091) 8818.3213

1 de jul de 2009

Elson Martins: Amizade no Jornalismo

Trindade (Osmar Bécio Trindade, 72 anos) é um jornalista gaúcho com história exemplar. Nos anos 1970 foi presidente de uma Cooperativa de Jornalistas do Rio Grande do Sul e dirigiu o Coojornal, nanico que bateu de frente com os militares no poder. Foi preso junto com outros companheiros de redação, depois se exilou em Moçambique, África, onde permaneceu até 1999. De volta ao Brasil, editou a Folha do Amapá, jornal que ajudei a fundar em 1991 e parou de circular em 2006.

Avesso a incomodar mesmo amigos e parentes ele encontrava-se há dois meses internado num hospital público de Brasília, com câncer no fígado e anônimo, ocupando uma das camas da enfermaria 505 do Hospital Regional Asa Norte. Com os pés inchados, não podia mais andar e estava há três dias sem poder tomar banho.

Foi descoberto nessa situação no começo da semana, por acaso, por um quarto jornalista, Tagaha, que mora em Belém. Tagaha ligou para seu telefone celular, mas quem atendeu foi uma enfermeira informando de sua internação. A partir daí se estabeleceu uma rede solidária via internet para socorrê-lo.

A solidariedade fluiu por causa da história comum que um grupo de profissionais da imprensa viveu em Macapá produzindo a Folha do Amapá, jornal que funcionou como uma escolinha de jornalismo para jovens que iniciavam na profissão tendo eu e Trindade como mestres.
Por Elson Martins
Íntegra do texto no www.almanacre.blogspot.com
- A Rede de solidariedade que envolveu amigos de Norte a Sul do país levou Trindade de volta a Porto Alegre no sábado (27). O guerreiro Trin viu os netos, a família e se foi para o outro plano na noite de terça-feira (30). Deixou lição de ética, compromisso com as causas justas e profissionalismo.
(Foto: Daniel de Andrade)