2 de jul de 2009

Terapeutica noturna

a palavra acorda dentro da gente
quer sair espontânea e livre
do fundo da mente
e nem sempre a gente sente

então ela percorre o corpo
inquietando os músculos das costas
agoniando as falanges dos dedos
num estalar dormente

faz revirarem os olhos insolentes
não pergunta que horas são
invade a quietude da madrugada
abrindo no sono um clarão

não respeita o silêncio da noite
faz despertar das quimeras o coração
palavra doida sem limite
agonia da expressão

avilta do papel a branquidão
quer sair de qualquer jeito
lanterna de foco
caneta na mão

desliza no leito macio
da folha nova
onde sem ela
habita a solidão

letra por letra cai azulzinha
grafando o que dá na telha
aliviando o pra sempre do peito
até regressar a mansidão

Um comentário:

Ju Corrêa disse...

Mãe, respeito muito quando as minhas palavras precisam sair de dentro de mim. Mas diferente de ti que as escreve, as minhas clamam por serem gritadas. heehehehe e acho que se elas me aprontarem e precisarem sair de madrugada, vai ser complicado. Já imaginou eu gritando de madrugada? rsrs