3 de dez de 2008

Sob o signo da noite

enquanto dormias
volitei meu corpo etéreo
por espaços e levezas
preenchidas de brisa e vento
naveguei noites insones
pelas vagas do pensamento
flutuei à deriva sobre as águas
enegrecidas do firmamento

enquanto dormias
percorri infinitos transparentes
cravejados de estrelas azuis
luzes do Universo consciente
ouvi murmúrios de anjos
que se amavam ao relento
soprando canções de amor
na origem dos sentimentos

enquanto dormias
planejei mil encarnações
todas elas imprudentes
nasci e morri simplesmente
diáfana sombra a voar
escrevi versos vacilantes
inseguros e sem melodia
nas páginas do teu despertar

Márcia Corrêa
(Tela While Adam Slept, de Laverne Ross)

Nenhum comentário: