4 de dez de 2008

Poema falso

em preciosa caixa de louça
guardo a paz que meu espírito alcança
nas prateleiras antigas de cedro
arrumo com cuidado as lembranças

já não sinto a dor da saudade
meu coração é cômodo em festa
tenho o olhar na paisagem do dia
nenhuma dor de alma resta

enquanto o sol invade a matéria
transformo cada espaço em frescor
sentimentos não se perdem da calma
deságuam em meus dias ondas de amor

a ternura faz sombra de pássaro
sobre as pálpebras do meu horizonte
colho flores de tempo no asfalto
alegria em mim se faz fonte

Márcia Corrêa
(Tela: Evening lounge, de Brent Lynch)