29 de mar de 2009

Placa oxidada... tsc tsc

Finalzinho da tarde, ainda com muita luz espalhada pelo céu preguiçoso de domingo, desço as escadas do hospital com Juliana (22), filha minha que passara a tarde fazendo companhia para o avô. Apressamos o passo que às seis tenho compromisso de falar sobre "felicidade" num bairro distante. Não queiram saber agora sobre o enfoque, que isso é outra e longa conversa. Nem queiram saber se realmente entendo de "felicidade", isso poderia acabar mal.

Atravessamos a recepção, o pátio e a calçada em direção ao estacionamento. Ela vem atrás e esboça um riso de canto de boca. Não é esse mãe, diz. Puxo o braço, que direcionava a chave para um carro estranho e rindo vou em direção a outro. Mãe, esse também não, diz a essa altura quase gargalhando. O teu está lá na frente, mãe. Ora, deveria ser proibido estacionarem tantos carros escuros e empoeirados no mesmo lugar.

É quando ela me sai com essa. Mãe, acho que o teu GPS tem uma placa oxidada. Rimos tanto, um riso frouxo e largado...

Papai recupera a saúde e tem previsão de alta para breve. Dá pra rir mais um pouco...


10 comentários:

Iêda disse...

Olá Márcia,

Achei ótima essa placa oxidada. Pequenos desencontros que abrem espaço ao riso e liberam da escuridão e poeira um brilho de felicidade.

abraços,
Iêda

Márcia Corrêa disse...

Então! E a gente vai somando esses risos pra se alegrar no dia.

kiara disse...

As vezes (na maioria delas) rir é o melhor remédio. pelo menos o único que temos, n'não?! rsrsrs

Vássia Silveira disse...

Cada vez mais chego a conclusão que os filhos são nossa maior poesia. Fico feliz com este riso (nossa, a Juliana já é uma mulher!!)e ainda mais com a notícia de que o Corrêa em breve terá alta! bjs

Dulcivania Freitas disse...

conta aí márcia, mas não saiu da garantia né mesmo..kkkkkkk

Márcia Corrêa disse...

Kiara,
Rir de bobagem então... e quando começo, ih... pra parar é uma história.

Vássia,
Uma mulher linda e maior que eu. Fico uma baixinha perto dela. Passeava com papai nos corredores do hospital e fazia ele rir quando ameçava correr com a cadeira de rodas: "Vamos lá vô, Fórmula 1".

Dulci,
O carro já saiu da garantia faz tempo, tadinho. O GPS é de segunda mão... rsrsrsr. Nesse negócio de errar o carro sou campeã, e por muita sorte percebo antes de enfiar a chave a disparar o alarme. Tenho um amigo que entrou pela mala do carro errado, pensando que a fechadura da porta estava com defeito. Quando se deu conta estava dentro do carro... quase morreu... rsrsrs

Antonio Alves disse...

Márcia, o campeão é o antropólogo Mauro Almeida. Uma vez, ao passar uns dias em Rio Branco, pegou emprestado um fusca para circular na cidade. Terminada a temporada, embarcou para São Paulo. Três dias depois, ligou para sua amiga Vera: "Verinha, estou te mandando pelo correio as chaves de um fusca que ficou no estacionamento do aeroporto aí em Rio Branco, por favor descobre quem foi que me emprestou esse carro e devolve as chaves".

Márcia Corrêa disse...

Ô gente doida.

Juliana Corrêa disse...

Mãee, tu esqueceu de contar que tu entra em portas erradas, troca nomes, esquece as coisas, e erra o teu carro quase todos os dias. hahahaha Mas quando mais atrapalhada, mais charmosa. hehe Te amO.

Maggiana disse...

Suas filhas sao lindas ! Filhos, à qualquer idade sao nossas luzes!