13 de mar de 2009

Varanda de flor


ah se eu pudesse
fazer brotar agora
da caixa de Pandora
escrito tão bonito
afeiçoado à esperança
na lonjura do infinito

ah se fluísse uma oração
da janela do meu coração
pulsando em forma de canção
arco-íris de mil palavras
varando a floresta envergada
de tanto açoite e facão

chegaria com a luz da manhã
gotejando sorriso e frescor
aninhando nos braços distantes
cada légua de mim retirante
que distância na casa do amor
é varanda enfeitada de flor


(Tela: The Letter, de John Haskins)

8 comentários:

Kiara Guedes disse...

E eu aqui, enfeito meus pensamentos das tuas palavras poeta de fala calma... palavras que não parecem conhecer o "se".
beijos, meus.

Márcia Corrêa disse...

Fala calma e sentimentos desgovernados... rsrsrs. Bjs!

Lilian Dalledone disse...

E quem disse que não pode?...
Lindas palavras, sentimentos em ebulição...
Beijos!

Márcia Corrêa disse...

Tanto pode que vou agorinha dormir e partir. Bjs!

marcos quinan disse...

Lindo,

da caixa de Pandora ???

Márcia Corrêa disse...

Quinan,
Sim. Lembra que na caixa de Pandora, depois de libertadas as mazelas para o mundo sobrou apenas o tesouro da esperança?

Marcos Quinan disse...

Ache uma coisa mais brasileira ou amazônica pra dizer isso.

Márcia Corrêa disse...

Ah, Quinan! Essas metáforas são universais. Além do que, minha memória intuitiva diz que vim de lá, que habitei aqueles vilarejos caiados de casinhas amontoadas nas montanhas que emolduram aquele mar.