7 de ago de 2009

Poemachucado

(Foto de Bill Bachmann)
Vez em quando
Escorre de mim
Um poemachucado
Escorre mesmo assim
Feito água de pote
Fria do jeito da morte
Ainda que a morte
Num solfejo de vida
Reinvente a gente
Do outro lado da lida
Então é água de morte
Bebida a frio e corte
Goste ou não goste
A vida é do jeito da morte

3 comentários:

Marcos Quinan disse...

Lindo...

Jac. disse...

Os poemas escorrem assim...
Não há como segurá-los, nem detê-los.

Muito bonito!

Débora disse...

Que maneira poética de ver ver a morte hein! "A morte reinventa a gente do outro lado da lida". E não é q é mesmo!