29 de ago de 2009

Silêncio

Há dias que não sai palavra
sem que me arda
a corda vocal do silêncio.
Sem que me cale
a boca da alma,
que nela reside o pensamento.
Não é silêncio de pedra,
é alma em recolhimento.
Silêncio e pensamento
regando os jardins do intento.

2 comentários:

Jac. disse...

Márcia, calar pode ser mais doloroso.
A alma precisa da palavra...mas há
silêncios que são eloquentes.

Muito bonito!

Márcia Corrêa disse...

Silêncios que gritam! Recebi seus escritos e guardei para ler com tempo esticado. Assim que fizer isso te mando recado.