23 de nov de 2008

Terra ferida

Quando despes teu corpo
Da toga injusta da razão
Nasce em ti latejante
A quase cura na emoção

Quando repetes meu nome
No silêncio oportuno da tarde
Sinto a inquietude do agora
No tecer meticuloso da eternidade

Quando ergues muros às promessas
Te recolhes ao castelo sombrio
Dos poemas que se recusam a nascer

Quando finges despedida vazia
Espalhas sal na terra ferida
Semeada de tanto querer´
Márcia Corrêa

(Tela: Testa di Giovinetta, de Leonardo da Vinci)

Nenhum comentário: