22 de nov de 2008

Atalhos de ilusão

não sei descrever
nas linhas invisíveis do papel
a dor que flagra meu silêncio
no vazio do teu olhar
eco de ciúme sem lugar
tecendo em todo chão
riscos de água

caravelas de saudade
enredo amiúde
que nem sei contar
perco nas palavras
tua melodia...
sentinela distraída
esquecida de pensar

atalhos de ilusão
quero de novo teu olhar
pulsar desde o começo
quero mundiar teus dias
encantar tua poesia
abraçar tua nostalgia
ser mais eu no recomeço
Márcia Corrêa

(Tela: The tub bathing woman, de Edgar Degas)

Nenhum comentário: