25 de nov de 2008

Caminho sem volta

Tenho os olhos na lonjura da noite
E o silêncio macio se faz manto
Meu corpo é sertão do desterro
Pensamento entrelaça o encanto

Faço voltas na busca servil
Tuas horas de entrega em silêncio
Precisão na conduta do gesto,
Tua mão nos caminhos do corpo.

Tua boca sem tréguas
Na entrega do beijo.
Cheiro bom de saudade.
Minha vida é a canção do desejo.

E eu que sabia no começo
Que seria assim sem caminho,
Em você que é caminho sem volta.
Ainda me perco em teu ninho.

Márcia Corrêa

(Tela: Pessoa na janela, de Salvador Sali)

2 comentários:

Iêda disse...

Márcia,

Muito linda a sua poesia e o seu blog.

Abraços,
Iêda

Heverson Castro disse...

ei ótimo seu poemas é deixar qualquer homem encantado. Já te linkei novamente com seu novo blog.

se quiser saber de santana já sabe
wwww.heversoncastro.blogspot.com