5 de nov de 2009

Festival Quebramar: palestras

O Coletivo Palafita convida você a participar da palestras que ocorrerão pela manhã e tarde durante os dois dias de Festival Quebramar de Música Independente. Veja a seguir a programação.

Dia 06 (sexta-feira)

Palestra - JORNALISMO CULTURAL: UMA CONTRADIÇÃO EM TERMOS?
Palestrante – Alex Antunes, jornalista - Pasquim, Folha Ilustrada, Bizz, Veja, Rolling Stone
Local: Auditório da Fortaleza de São José de Macapá
Hora: 14:00 às 17:30

Filme: CAPOTE (2006, Bennett Miller)
a) A matriz positivista versus a matriz pop. Objetivismo e subjetivismo no jornalismo: é possível ser isento em questões culturais? Se é subjetivo, pode ser jornalismo?

b) Jornalismo literário, gonzo e musical; literatura pop. A linhagem das escolas jornalísticas e artísticas que tentaram fusões possíveis das duas matrizes, da alta cultura à cultura de celebridades. O papel da ficção na descrição da realidade.
c) Publicações culturais no Brasil pós-contracultura. Implicações culturais e políticas do jornalismo brasileiro, da contracultura à época atual.
d) Cyber Cybercultura. Blogs e a quebra de limites entre o jornalismo e a cultura-em-si. Twitter, facebook e a captura do tempo real.

Dia 07 (sábado)

Palestra – ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS NA ECONOMIA DE CULTURA
Palestrante – Marcus Vinícius Nogueira, sociólogo – APL, SECIS, MCT, SCC, MinC.
Local: Auditório da Fortaleza de São José de Macapá
Hora: 10:00 às 12:00

a) o eixo de trabalho relacionado às tecnologias sociais
b) alternativas sociais de geração de renda dentro da cadeia produtiva da economia da cultura.


Palestra - A REINVENÇÃO DO BRASIL: EMERGÊNCIA CULTURAL DA REGIÃO NORTE
Palestrante – Alex Antunes, jornalista – Pasquim, Folha Ilustrada, Bizz, Veja, Rolling Stone

Local: Auditório da Fortaleza de São José de Macapá
Hora: 14:00 às 17:30

Filme. VIAGENS ALUCINANTES (1980, Ken Russell)
a) Três manobras mal-sucedidas na calibragem do Brasil: a 'tríade de dois', o desprezo de Pedro e o upgrade do Tiradentes-Cristo. O que Groucho Marx disse para Macunaíma quando viu o Zé Carioca.

b) Porque o Acre existe, e São Paulo não. Diferentes razões iguais para se matar em Macapá e São Paulo: a ausência da mãe e a presença de Sarney.
c) A inteligência e a ética da mata; a religião brasileira. A experiência Yawanawa e a convergência de tecnologias ancestrais e atuais: o Ponto Zero da humanidade.
d) Fora-do-Eixo no Norte e Centro-Oeste e o P.O.P. - Plano de Ocupação Psíquica.

Contatos
site:
www.festivalquebramar.com.br

blog:
www.coletivo-palafita.blogspot.com

Comunicação: Jenifer Nunes - 8116.7203 -
palafitacomunicacao@gmail.com
Planejamento: Otto Ramos - 8112.5996 - coletivopalafita@gmail.com
Coletivo Palafita – Comunicação
Contato: 8127-8495

Nenhum comentário: