28 de nov de 2010

Randolfe Rodrigues garante apoio no Senado para Confraria Tucuju

Randolfe Rodrigues, diretores e sócios da Confraria Tucuju

A partir de 2011 a Confraria Tucuju, casa de cultura com 14 anos de tradição no Amapá, vai ter mais um aliado no Congresso Nacional. O senador eleito Randolfe Rodrigues (PSOL) disse em reunião que terá por princípio destinar suas emendas parlamentares para o Governo do Estado e para as prefeituras, mas, assegurou que “a Confraria Tucuju, por sua seriedade e respeitabilidade, será uma das exceções”.

Randolfe foi recebido pela diretoria e sócios da entidade na última quarta-feira (24). A presidente Telma Duarte falou sobre os projetos da Confraria e expôs as dificuldades de patrocínio que vem enfrentando no ano que se encerra. Entre os presentes à reunião estavam a professora Zaide Soledade, que inspirou o nome do Teatro das Bacabeiras, a jornalista e poeta Alcinéa Cavalcante e a promotora de justiça do meio ambiente Ivana Cei.

Zezinho Duarte presenteia o Senador com camiseta da Confraria

A presença de Ivana Cei selou um acordo entre a Confraria, o mandato de Randolfe e a promotoria do meio ambiente para defesa de interesses do patrimônio histórico do Amapá. A primeira ação será uma excursão às ruinas de Vila Vistoza da Madre de Deus, uma das três vilas originárias da colonização portuguesa. Após a excursão será providenciado o projeto de tombamento da área.

“Estou impressionado com a envergadura do projeto de Vila Vistoza. Vou trabalhar no sentido de construir um pacto com a bancada federal, o Ministério da Cultura, o IPHAN e o Governo do Estado para que juntos possamos levantar a situação legal da área e tomar as medidas necessárias para protegê-la”, disse o senador. O grupo fará nova reunião em janeiro, com a presença de outros parceiros, para planejar a expedição.

O senador se comprometeu ainda em apoiar a publicação de obras de cunho literário e histórico. “Quero utilizar menos a gráfica do Senado para propaganda do meu mandato, e mais para apoio à produção literária do Amapá”, assegurou. Nesse sentido, diante da jornalista Alcinéa Cavalcante, informou sua intenção de começar pela publicação de uma antologia poética de Alcy Araújo, pai da jornalista.

Conseguir um selo cultural junto à Biblioteca Pública Nacional, para que obras de resgate da História do Amapá sejam publicadas pela Confraria, foi uma das reivindicações de Telma Duarte. Outra solicitação se referiu ao projeto de resgate dos documentos históricos do Amapá, que se encontram espalhados por diversos países e estados brasileiros. Ambos receberam garantia de apoio de Randolfe.

2 comentários:

Dulcivania Freitas disse...

Linda essa foto de todo mundo junto, me lembra os anos 80 quando as pessoas do meu interior (na Paraíba) levavam muito a sério posar pra fotos, até se arrumavam e botavam roupa nova. E cada pessoa sempre transmitia, no olhar e na postura do corpo, sua satisfação em tá ali, fazendo parte do conjunto. Nunca mais eu tinha visto uma foto de pose tão bonita.

Márcia Corrêa disse...

Na Confraria a gente consegue esse sentido mesmo de confraternizar em torno de uma causa. Somos confrades no fazer cultural e ganhamos um aliado de sensibilidade para a causa. Venha se juntar a nós.